10 razões para ser entusiasmado com Cyberpunk 2077: Phantom Liberty

PUBLICIDADE


PUBLICIDADE

Com o lançamento difícil e inúmeras atualizações detrás de nós, o grand finale da magnum opus do CD Projekt Red se aproxima. Será que Cyberpunk 2077 será publicado nos anais da história dos jogos porquê um dos maiores de todos os tempos ou continuará sendo uma prelecção trágica de excesso em alguma coisa? Independentemente disso, com base no que foi mostrado, não poderíamos estar mais entusiasmados com Cyberpunk 2077: Phantom Liberty. Night City já foi incrível, mas a expansão DLC está prestes a tirar as coisas da trajectória. Em privado, estas são 10 das maiores razões pelas quais o Phantom Liberty pode estar à profundidade do hype.

Um enredo de suspense de espionagem

Dogtown à noite em Phantom Liberty
Nascente da imagem: CD Projekt Red

O cenário Cyberpunk foi totalmente feito para histórias de espionagem. Embora tenhamos obtido alguns trechos de narrativas de espionagem autênticas no jogo base, não havia nenhuma verdadeiramente dedicada. A maioria das aventuras secretas do Cyberpunk vieram na forma de shows e porquê você realmente jogou o jogo, em vez de uma trama de espionagem abrangente. Esgueirar-se por esconderijos ilícitos e extinguir câmeras de segurança com um silenciador era uma estratégia bastante geral para mim, mas não era necessariamente o foco principal da história.

PUBLICIDADE

Tudo isso muda em Phantom Liberty. O ponto de contato de V para a história é um comentador de lucidez chamado Songbird. Ela será uma personagem importante na história, guiando V ao longo de sua curso de agente pseudo-disfarçado da NUS. Songbird foi mencionado várias vezes na experiência base do Cyberpunk porquê um dos netrunners mais adeptos do mercado, portanto não há dúvidas de que ela se mostrará uma aliada poderosa.

Ela também tem uma história íntima com outra estrela do show de Phantom Liberty, Solomon Reed. Porém, o quão profundas são essas conexões e porquê elas se relacionarão com a história não ficará simples até que todos nós possamos nos aprofundar na narrativa.

Personagem de Idris Elba, Salomão

Salomão Reed
Imagem via CD Projekt Red

Isso nos leva ao interesse de relacionamento do Songbird, Solomon Reed.

PUBLICIDADE

Solomon é interpretado por ninguém menos que o ator Idris Elba, e se os trailers servirem de indicação, seu trabalho de voz será fenomenal. O CD Projekt Red também está claramente entrando no modo cinematográfico completo com leste personagem: as animações que vimos nas imagens do jogo do novo personagem estão entre as melhores da indústria, e você pode ver as performances mo-cap de Idris Elba cá demonstrando sua primazia.

Mas não estamos entusiasmados somente com a atuação do personagem de Idris Elba. Solomon Reed também está prestes para ser um dos personagens mais desenvolvidos de todo o jogo.

O trailer final de Phantom Liberty nos mostra Solomon sendo apunhalado pelas costas por alguém em quem confiava. É impossível expor qual personagem está visível e quem acabará porquê opositor no final do dia, mas está simples que a CD Projekt Red está investindo um esforço tremendo nesse personagem.

Mais Johnny Silverhand

Johnny Silverhand relaxando em Phantom Liberty
Nascente da imagem: CD Projekt Red

Não sei sobre você, mas a tradução de Keanu Reaves porquê Johnny Silverhand foi um dos aspectos de destaque de Cyberpunk 2077.

Alguns dos momentos mais memoráveis ​​​​do jogo mostraram o jovial Johnny sendo um idiota antagonizante de V. A viagem na montanha-russa entre Johnny e V mostrou um lado genuíno de Johnny que adoraríamos ver mais em Phantom Liberty. A oportunidade está repleta de novos momentos memoráveis ​​de Silverhand, principalmente desde que o CDPR trouxe Keanu Reaves de volta para reprisar seu papel pela última vez.

Mesmo que ele seja um idiota de primeira classe, mal podemos esperar para ouvir mais reclamações e piadas do roqueiro mais notório de Night City.

Um novo região para explorar

Construção de pirâmide em Phantom Liberty
Nascente da imagem: CD Projekt Red

A exploração é uma das maiores conquistas do Cyberpunk. Os ambientes parecem vividos e são autênticos em relação ao material de origem. Embora você não possa entrar em todos os prédios que vê, certamente pode escalá-los e caminhar sob seu ponto fraco.

Felizmente, o Phantom Liberty está prestes para fornecer ainda mais disso. O DLC apresenta um região inteiramente novo a leste de Pacifica, chamado Dogtown. Esta disputada zona de guerra tem três subdistritos e sua própria gangue territorial para enfrentar, muito porquê uma série de novos locais para os jogadores participarem. Espere muitos novos fornecedores, lojas, apartamentos, personagens e mais missões do que você provavelmente tem tempo para dissiminar em todo o grande novo região.

Para juntar a Dogtown, o espaçoporto em Morro Rock também poderá ser explorado porquê uma novidade zona alcançável a partir do região do meio da cidade.

Morro Rock é alguma coisa que não vimos muito na cobertura do Phantom Liberty, portanto será emocionante finalmente explorar aquela ilhéu com o foguete gigante que continuamos sendo provocados durante o jogo principal.

Novos shows e trabalhos paralelos

Barghest dando um show para V em Phantom Liberty
Nascente da imagem: CD Projekt Red

Uma vez que os fãs de longa data devem ter adivinhado, o CD Projekt Red não vai deixar a história principal levar toda a glória. Side Jobs e Gigs também serão um grande foco no Phantom Liberty.

Os trabalhos paralelos em Cyberpunk 2077 foram facilmente alguns dos melhores conteúdos de todo o jogo, por isso estamos ansiosos para ver o que está reservado para Phantom Liberty. Todos esses novos personagens e facções inevitavelmente também desempenharão um papel nessas missões secundárias.

Um tarefeiro em privado que nunca deu muito trabalho a V no Cyberpunk 2077 foi o Sr. Ele é responsável pelos shows da Pacifica e parece que também cobre a região de Dogtown. Nunca vimos seu esconderijo no jogo base, portanto sem incerteza finalmente poderemos explorar o covil do indescritível contratante em Phantom Liberty.

Mais veículos incríveis

Veículo com armas montadas
Nascente da imagem: CD Projekt Red

A ampla variedade de veículos em Cyberpunk 2077 foi um dos meus aspectos favoritos de todo o jogo. Os designs e sons dos carros eram tão bons que até despertaram meu interesse pela cultura automobilística da vida real. Podemos esperar que o mesmo nível de detalhes automotivos retorne para o Phantom Liberty e, em seguida, um pouco de ridículo suplementar.

O que vimos dos veículos exclusivos do Phantom Liberty já é tentador. A operário de carros esportivos Quadra está fazendo outra aparição com leste novo padrão aparentemente inspirado no clássico Plymouth Baracuda dos anos 70.

O novo Quadra Sport R-7 Vigilante demonstra o quão legítimo um sege suposto pode ser. O estilo se encaixa perfeitamente no Cyberpunk, e depois há o manuseio e o som. A equipe de design do Cyberpunk procura o melhor dos melhores exemplos do mundo real e faz anotações e amostras de som. Sabemos que os desenvolvedores gravaram sinfonias de carros do mundo real, porquê a Lexus LFA para posteriormente mixar em sua cabine de som para Rayfield Caliburn do jogo base.

Mas isso não é tudo. Phantom Liberty apresenta a novidade soma de veículos de combate montados em mísseis. Se você sempre quis fomentar o caos em seu próprio tanque enfeitado em Night City, Phantom Liberty tem o que você precisa.

Uma novidade partido para enfrentar

Facção Barghest em Dogtown
Nascente da imagem: CD Projekt Red

O novo região de Dogtown não se administra somente sozinho, o territorial Barghest é uma partido poderosa pronta para hostilizar qualquer um que se interponha no seu caminho. Barghest é um tropa privado de ex-soldados da Militech liderado pelo colonial NUSA Kurt Hansen. Está muito simples que Barghest será a mais difícil de todas as facções, desafiando completamente os novos poderes da Relíquia de V.

Além das novas batalhas desafiadoras, Barghest oferece um pedaço perfeito do bolo da espionagem. Formado por ex-funcionários da NUSA e pelos bandidos mais fortes que Dogtown tem a oferecer, Barghest está enredado no meio do conflito em que V e Solomon se encontram. Eles podem concluir sendo a partido mais relevante para a história de todo o Cyberpunk 2077, e jogar um grande papel nas histórias que cercam Night City.

A árvore de habilidades da relíquia

Uma das vantagens da árvore relíquia
Nascente da imagem: CD Projekt Red

Phantom Liberty finalmente nos permitirá explorar aquela misteriosa árvore de habilidades bloqueada na segmento subalterno do menu de personagens de V, conhecida somente porquê Relic.

A colaboração de V com a NUSA permite que os poderes latentes da Relíquia sejam totalmente liberados. Embora à primeira vista pareça que não há muitas vantagens na novidade árvore de relíquias, cada uma pode aprimorar as habilidades de V além do limite.

Combinando com o tema de espionagem de Phantom Liberty está a árvore de camuflagem de emergência dentro do Relic. A camuflagem de emergência força instantaneamente os inimigos a perderem o controle de V enquanto estão invisíveis, enquanto o favor do Protocolo Sensorial retarda o tempo se for pego enquanto estiver alapado. Parecem pequenas porções de cobertura de um bolo gigante, e você não estaria incorrecto, mas essa cobertura em privado é muito útil neste caso.

A vantagem que estou mais entusiasmado para testar é o Mapeamento Espacial, que permite que V distorça instantaneamente o ataque aos inimigos depois encadear mortes.

Existem também várias vantagens dedicadas aos aumentos de braço que você pode fazer por meio do Cyberware, e a capacidade de Estudo de Vulnerabilidade pode dar aos jogadores a chance de dizimar inimigos com críticos garantidos.

Relic parece ser a pedra angular final na transformação de V em uma potência cibernética. Mesmo que não transforme realmente a jogabilidade com mecânicas totalmente novas, ainda deve fornecer alguns novos brinquedos divertidos para os jogadores adicionarem aos seus kits de ferramentas.

Mais Lizzy Wizzy

Novo design de Lizzy Wizzy em Phantom Liberty
Nascente da imagem: CD Projekt Red

‘Violência’ é um trabalho paralelo peculiar e fascinante em Cyberpunk 2077, e é a única missão no jogo que apresenta o que pode ser o personagem mais maluco e perturbado de todo o cenário: Lizzy Wizzy.

Uma vez que o ícone pop mais famoso de Night City, ela está disposta a fazer qualquer coisa para mais publicidade. Permanecer plana no palco somente para terminar o show em um novo corpo cromado é somente uma das muitas acrobacias que ela fez.

Inicialmente, deveria ter mais teor de Lizzy Wizzy no jogo base antes de ser dissociado, portanto estamos entusiasmados com o CDPR. trazendo ela de volta em estilo preem para Phantom Liberty.

Novas estações de rádio

Estação de rádio FM Growl em Phantom Liberty
Nascente da imagem: CD Projekt Red

Por último, mas não menos importante, estamos entusiasmados por ter algumas novas estações de rádio para ouvir enquanto dirigimos por Dogtown e pelos novos periferia de Phantom Liberty.

A música é uma segmento ambiental de qualquer videogame envolvente, mas a trilha sonora do Cyberpunk representa a própria Night City. O ícone pop Lizzy Wizzy e o roqueiro Johnny Silverhand foram mencionados anteriormente, mas há uma série de outros músicos com quem o jogador interage em Night City. Suas músicas tocam em diferentes estações de rádio temáticas e seus anúncios são colados em outdoors flutuantes de neon. A música tocada em Night City é uma representação direta da tradição imersiva e vivida do Cyberpunk.

Para provar o quão obcecado o CDPR é pela música diegética do Cyberpunk, eles até lançaram um documentário de 45 minutos sobre a produção de uma das novas estações do Phantom Liberty, a Growl FM.

Será que teremos um novo single do trio pop Us Cracks? Será que o sempre sempiterno Kerry Eurodine lançará seu álbum de retorno, talvez até fazendo referência a V diretamente na música? Cyberpunk 2077 é um mundo vivo e que respira, e talvez zero ajude a nos lembrar disso melhor do que a música tocando no rádio.

Sobre o responsável

Foto do avatar

Mateus Carmosino

Matthew Carmosino é jornalista freelancer do Twinfinite. Ele começou a jogar em meados dos anos 90, onde seu paixão por RPGs da SquareSoft porquê Chrono Trigger o mudou para sempre. Matthew trabalha na indústria de jogos há dois anos, cobrindo tudo, desde RPGs ricos em histórias até jogos de plataforma e quebra-cabeças. Ouvir música de piano em um dia pluviátil é sua teoria de diversão, o que provavelmente explica sua tolerância irregular para trabalhos nivelados.

Pablo Oliveira
Pablo Oliveirahttp://pcextreme.com.br
Sou diretamente responsável pela manutenção, otimização, configuração e SEO de todos os sites de minha propriedade. Além disso, atuo como colunista, editor e programador.

Artigos relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos recentes